Lápis aquareláveis: Derwent x Faber-Castell x Caran D’Ache x Koh-i-noor

No post de hoje fizemos um teste de comparação entre os lápis de cor aquareláveis das marcas: Derwent x Faber-Castell x Caran D’Ache x Koh-i-noor. Acompanhe até o final e entenda mais sobre cada um deles.

Já temos por aqui um post falando sobre os lápis de cor profissionais. Mas, para te ajudar ainda mais, fizemos uma comparação entre os lápis de cor aquareláveis: Albrecht Dürer da Faber-Castell, Inktense da Derwent, Supracolor da Caran D’Ache, Mondeluz da Koh-i-noor. Acompanhe o post de hoje e saiba tudo sobre eles.

O que são os lápis de cor aquareláveis?

Ao contrário dos lápis permanentes, os aquareláveis são solúveis em água. É importante lembrar que, ainda que existam modelos com a promessa de serem “aquarelas em forma de lápis” nenhum deles está incluso nessa lista.

Contudo, ainda assim, alguns conseguem transmitir e imitar muito bem a maneira como a aquarela trabalha, permitindo assim a criação de aguadas e inclusive a utilização como se fossem aquarelas no formato de pastilhas.

Por serem destinados para uso profissional, a promessa dos lápis é que seus traços sejam completamente diluídos no papel. Para o teste de hoje, a Emmy escolheu os lápis com mina macia, visto que existem diversas variáveis dentro de algumas das marcas da lista.

Conhecendo os lápis de cor aquareláveis

Lápis aquareláveis
Foto: HARTN Blog

Derwent Inktense

Como vocês já sabem, a Derwent possui várias linhas com essa característica, mas a que a Emmy escolheu foi a de mina macia: Inktense.

De acordo com a própria marca, esses são os melhores lápis de cor aquareláveis da Derwent e podem ser usados em técnica seca. Contudo, quando misturados em água as cores se tornam verdadeiras tintas vibrantes. Os lápis dessa linha são permanentes depois de secos e por isso, podem ser usados até mesmo em tecidos naturais, como algodão e seda.

Especificações

  • Formato do corpo: circular
  • Mina: 4 mm
  • Disponível em estojos com 6, 12, 18, 24, 36, 48 e 72 cores.
  • Reposição avulsa: sim
  • Escala de resistência à luz: Blue Wool (entre 0 e 8) — 3,4: aceitável / 5,6: boa / 7,8: excelente
  • Resistência à luz: grande maioria das cores está classificada em 7 ou 8, poucas em 2 a 4.
  • Tabela oficial Inktense

Faber-Castell Albrecht Dürer

Essa é a linha profissional aquarelável da Faber-Castell e possui as mesmas cores da linha permanente equivalente, a Polychromos. Essa é uma marca muito famosa, tradicional e reconhecida no mercado e por isso a Emmy não a deixou de fora.

Especificações Albrecht Dürer:

  • Formato do corpo: hexagonal
  • Mina: 3.8 mm
  • Disponível em estojos com 12, 24, 36, 60 e 120 cores.
  • Reposição avulsa: sim
  • Escala de resistência à luz: sistema de estrelas — ★★★ máxima /★★ muito boa /★ apenas ok
  • Resistência à luz: grande maioria das cores está classificada entre 3 e 2 estrelas, algumas com uma.

Há algum tempo, a linha recebeu uma versão chamada Albrecht Dürer Magnus, sendo os mesmos Albrecht Dürer, mas com minas de 5.3 mm e até agora com 30 cores disponíveis.

Caran D’Ache Supracolor

Essa marca suíça é uma das mais tradicionais quando falamos em lápis de cor, possuindo diversas linhas, nas quais 4 são aquareláveis. Para seguir a mesma linha com todas as marcas, a Emmy escolheu também o aquarelável profissional de mina macia.

De acordo com a Caran D’Ache, a linha Supracolor é ideal para técnica seca e para aquarelar. Além disso, ela é recomendada para cobertura de grandes áreas, possuindo boa resistência à luz.

Especificações Supracolor:

  • Formato do corpo: hexagonal
  • Mina: 3,8 mm, macia
  • Disponível em estojos com 12, 18, 30, 40, 80 e 120 cores.
  • Reposição avulsa: sim
  • Parâmetro de resistência à luz: sistema de estrelas — ★★★ máxima / ★★ muito boa /★ apenas ok

Koh-i-Noor Mondeluz

Ela possui 72 cores disponíveis e os lápis são produzidos com pigmentos de boa qualidade e altamente concentrados, possuindo até mesmo argila branca na composição. Segundo a fabricante, esse elemento permite “traços únicos”, sendo esse um lápis desenvolvido para produzir traços completamente diluídos quando aquarelado.

Especificações Mondeluz:

  • Formato do corpo: hexagonal
  • Mina: 3.8 mm
  • Disponível em estojos com 12, 24, 36, 48 e 72
  • Reposição avulsa: não, porém: a venda avulsa existe, apenas não consegui encontrar os países em que estão disponíveis.
  • Parâmetro para resistência a luz: sistema de estrelas, 1 a 4 — ★★★★ máxima / ★★★ muito boa / ★★ boa / ★ aceitável
  • Resistência à luz: maioria das cores entre 3 e 4 estrelas, 4 cores com apenas 1.

Testes com os lápis aquareláveis

O papel usado para os testes foi o Canson Montval com textura fina. O primeiro teste foi o traço seco. Partindo com a pressão mais forte até a mais leve, todos os lápis demonstraram um resultado semelhante, sendo todos muito macios. O Inktense, segundo a Emmy foi mais macio e o que soltou mais “poeira” devido a pressão. O que menos soltou as partículas foi o Supracolor.

Teste 1 lápis aquareláveis
HARTN Blog

Na técnica aguada, a Emmy procurou testar a diluição do traço, facilidade de trabalhar com a tinta formada e intensidade da cor. Com os testes ela notou que o Inktense é o mais pigmentado, pois ao passar o pincel com a água a grande quantidade de tinta que os traços se transformam é notável.

Lápis aquareláveis aguado
HARTN Blog

Além disso, em uma parte muito saturada na técnica aguada, todos os lápis tiveram um resultado parecido depois de secos. Mas, para ter certeza da solubilidade dos traços, a Emmy desenhou pequenas letras com pressão média-alta e diluiu com pincel e água. Olha só o resultado:

lápis aquareláveis teste aguado
HARTN Blog

Então, para se certificar do resultado, o teste foi feito mais uma vez. Dessa vez, o traço foi aplicado com a máxima pressão além da insistência com o pincel em água para que os traços se diluíssem por completo ou o máximo possível.

teste final
HARTN Blog

Conclusão sobre os lápis aquareláveis

Como acontece com todos os materiais profissionais existem os dois lados da história. E, por isso, existem algumas questões que precisam ser consideradas no momento da escolha:

Aplicação de preferência

Por exemplo, se você prefere técnica seca, aguada ou as duas na mesma proporção. Portanto, se quiser traços mais definidos e a possibilidade de aquarelar, o Supracolor seria mais indicado. Agora, se você prefere aquarela, cobertura de áreas maiores e cores intensas, o Inktense deve ser o escolhido. Por fim, se desejar utilizar os lápis como verdadeiras aquarelas, raspando as minas separadamente para utilizar aguadas, escolha aqueles com melhor dissolução, como o Inktense ou o Albrecht Dürer.

Objetivo da arte

Se você irá vender artes originais é essencial verificar o grau de resistência à luz dos materiais. Sendo assim, verifique todas as tabelas de cores para saber quais são as mais seguras para usar em pinturas que devem durar muitos anos.

Técnica Mista

Se você já possui alguma linha profissionais dessas marcas e faz questão de ter os mesmos tons em diferentes materiais, opte pela marca que você já utiliza.

Preço e acessibilidade

É importante pesquisar o preço de todos os itens, mas também considerar sua disponibilidade por aqui. No Brasil, reposição avulsa de marcas como Mondeluz e Supracolor são bem difíceis, sendo necessário lembrar que alguns tons podem acabar muito rápido.

E então, gostou das comparações do post de hoje? Se quiser garantir seus lápis da Derwent Inktense é só clicar aqui.

Aproveite e deixe nos comentários sugestões de conteúdos que gostaria de ver em nosso blog. Vamos adorar saber!

Até a próxima!

1 comentário
  1. […] Lápis aquareláveis: Derwent x Faber-Castell x Caran D’Ache x… […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais