Derwent Procolour: a união perfeita entre cobertura e detalhes

Os lápis Derwent Procolour vieram para unir o melhor dos dois mundos em um único produto. Acompanhe a análise feita pelas meninas pela Emmy e pela Pauline, no post de hoje e aprenda mais sobre essa linha incrível.

Os lápis Derwent Procolour, de acordo com a própria marca, são a junção das qualidades de suas duas outras linhas de lápis permanente: a Coloursoft, que possui mina macia e alta cobertura, e a linha Artists com mina dura e ideal para detalhes. As irmãs Emmy e a Pauline Dala realizaram diversas análises comparando as linhas, e no post de hoje vamos detalhar pra vocês.

Derwent Procolour: A proposta

Bom, de acordo com a descrição da marca, entende-se que a proposta da linha Procolour é atender as necessidades de cobrir grandes áreas com facilidade ao mesmo tempo que possibilita a criação de pequenos detalhes. Ou seja, tudo isso em um único material.

Características Derwent Procolour

A linha Procolour possui minas de 4mm com alta pigmentação e por isso não esfumam, soltam pó ou lascas durante a pintura. Essa afirmação é do próprio site da Derwent UK. Mas, além disso, o material ainda promove camadas muito suaves ou extremamente saturadas, de acordo com a pressão que você aplica no lápis. Sendo assim, os Procolour foram desenvolvidos para serem mais macios que os Artists e ainda oferecer cores mais intensas, como a linha Coloursoft.

Foto: Derwent

Testes de comparação

A Emmy e a Pauline compararam o lápis Procolour com as linhas Artists e Coloursoft, visto que antes desse novo produto, o mais comum era utilizar esses dois modelos em conjunto a fim de garantir efeitos de alta cobertura com elementos mais detalhados.

Procolour teste
Foto: @hartn.me

De acordo com as análises, o Artists, que como falamos possui a mina mais dura, promove uma pigmentação menos intensa sobre o papel. Por outro lado, o Coloursoft é extremamente macio, sendo esse seu principal objetivo. Como consequência, sua cor é mais intensa e saturada, mesmo com a pressão igualmente aplicada em todos os testes.

Já o Procolour mostrou um resultado muito parecido com o Coloursoft, mas promoveu maior segurança e controle durante a aplicação, devido ao fato de a mina ser macia e resistente ao mesmo tempo.

Além dos testes comuns, ainda foram feitos alguns desenhos para tirar a prova real da análise.

Derwent Procolour Testes
Foto: @hartn.me / Da direita para esquerda: Linha Artists, Procolour e Coloursoft

Por meio deles, elas constataram que com o Artists é mais difícil aplicar a cor em áreas mais escuras e saturadas devido à dureza da mina. Justamente por isso, eles não são indicados para essa função e sim para detalhes.

Já o Coloursoft a situação é totalmente inversa. Com a mina mais macia, é possível alcançar a cor real com facilidade, assim como a saturação máxima, mas promove certas dificuldades para criar os detalhes.

Agora, com a linha Procolour, elas não encontraram nenhuma das dificuldades citadas das linhas separadas: nem para criar os detalhes, nem para alcançar o tom desejado. Ainda que sejam muito macios, os lápis têm a ponta firme, cumprindo a proposta inicial da Derwent.

Foto: @hartn.me / Detalhes. Da direita para esquerda: Linha Artists, Procolour e Coloursoft

 

Resistência à luz

Outra questão importante é sobre a resistência à luz, que segundo a Derwent, mais de 70% das cores dessa linha devem durar até 100 anos se estiverem nas condições adequadas de luz, temperatura e umidade.

Linha Procolour Derwent
Foto: @hartn.me

Como já falamos por aqui, a marca utiliza a escala Blue Wool para indicar os níveis de resistência à luz de seus pigmentos. Inclusive, grande parte de suas cores fica acima de 5, mostrando que em condições ideais de preservação da pintura, a durabilidade fica da seguinte maneira:

  • 1-2 = baixa resistência: o pigmento pode começar a desbotar em até 15 anos;
  • 3-4 = resistência moderada: o pigmento começa a desbotar antes de 50 anos;
  • 5-6 = o pigmento permanece da mesma forma entre 50 a 100 anos, sob as condições ideais de exibição.
  • 7-8 = o pigmento permanece inalterado por mais de 100 anos sob as condições ideais de preservação.

A boa notícia é que pouquíssimas cores da paleta da linha Procolour estão classificadas entre os níveis 1 e 2. A Emmy utiliza muito pouco esses tons, mas ainda segundo ela, são tão poucos que esse fato não reduz a qualidade da linha.

Avaliação final da linha Derwent Procolour

Então, de acordo com o Blog Hartn a linha Procolour está aprovadíssima! Olha só o resumão:

  • Quantidade de cores: 72 cores
  • Aquarelável: Não
  • Mina: macia /4mm com base em cera e características de óleo
  • Resistência à luz: 4 estrelas
  • Rendimento: 4 estrelas
  • Possibilidade de comprar avulso: Sim

Gostei muito, muito, MUITÃO / São lápis de excelente qualidade, ótimos de usar, gostei MUITO. E a paleta de cores é bem versátil; gosto muita da seleção das cores nas paletas menores: na de 36 a maioria das cores são as que geralmente uso. E sim, já está disputando para se tornar meu favorito — mas isso fica para um post futuro!

– Emmy Dalas

Lembre-se que você pode adquirir os kits ou os lápis avulsos no site da Dezáina, clicando aqui.

Foto: @hartn.me / Kit Derwent Procolour 36 cores

E então, curtiu saber mais sobre essa linha? Se gostou desse post ou tem sugestões de novos conteúdos deixe aqui nos comentários! 👇

Até a próxima! 👊

1 comentário
  1. […] Derwent Procolour: a união perfeita entre cobertura e… […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais